Desodorantes e Antiperspirantes

A sociedade moderna exige cuidados especiais para prevenir o excesso de transpiração (hiperhidrose) e ainda os odores que a acompanham. Este fenômeno da transpiração é natural e indispensável ao bom funcionamento do organismo, no entanto quando excessivo, provoca problemas quanto ao desconforto pelo odor e também quanto às lesões que podem ser geradas.

Nós suamos constantemente mesmo sem perceber. Suar é a maneira pela qual nosso corpo se livra do excesso de calor que é produzido pelo metabolismo ou pelo trabalho muscular.

A quantidade de suor produzida depende de nosso estado emocional e do tipo de atividade física. O suor pode ser produzido em resposta a um estímulo nervoso, elevação da temperatura do ar e/ou exercícios físicos. Primeiro, vamos nos concentrar em como o suor é produzido em uma glândula sudorípara écrina.

Cosmetologia

Quando a glândula sudorípara é estimulada, as células secretam um fluido (secreção primária) similar ao plasma, ou seja, basicamente composto de água, altas concentrações de sódio e cloreto e baixa concentração de potássio, mas sem as proteínas e ácidos graxos geralmente encontrados no plasma. Esse fluido surge nos espaços entre as células (espaços intersticiais) que o recebem dos vasos sangüíneos (capilares) da derme. O fluido se desloca da porção espiralada e sobe através do duto reto. O que acontece no duto reto depende da taxa ou fluxo de produção de suor.

  • Baixa produção de suor (descanso, temperatura amena): as células no duto reto absorvem a maior parte do sódio e do cloro presentes no fluido. Isso acontece porque há tempo suficiente para a reabsorção. Além disso, a água é reabsorvida osmoticamente. Assim, pouco suor chega ao lado externo, sendo sua composição significativamente diferente da secreção primária. Não há tanto sódio e cloreto, e há mais potássio.
  • Alta produção de suor (exercício físico, alta temperatura): as células, na parte reta do duto, não têm tempo hábil para reabsorver todo o sódio e cloreto da secreção primária. Assim, grande parte do suor chega à superfície da pele e sua composição é quase a mesma da secreção primária. As concentrações de sódio e cloreto são aproximadamente a metade e a de potássio é cerca de 20% maior.

As glândulas sudoríparas são excretoras do suor e são cerca de 3 milhões, as quais, se distribuem por 1,6 m2 de pele. Podem ser distinguidas dois tipos, as glândulas écrinas e as apócrinas.

As glândulas Apócrinas estão localizadas e anexadas ao aparelho sebáceo, em número bastante inferior; localizadas nas axilas, regiões genitais, paragenitais, mamilo, canal auricular esterno.

Estas são ativadas durante a puberdade; sua secreção é acompanhada pela desintegração de parte das células glandulares; ph na zona alcalina; não são inervadas e o estímulo é de ordem hormonal; são responsáveis pelos odores característicos da transpiração, devido à degradação dos produtos de secreção. O suor proveniente das glândulas apócrinas contém proteínas e ácidos graxos que dão a ele um aspecto mais espesso e uma coloração leitosa ou amarelada.

É por isso que as manchas que aparecem nas roupas (região das axilas) são amareladas, pois o suor em si não possui cor. Quando as bactérias e os pêlos da pele metabolizam as proteínas e os ácidos graxos, eles produzem um odor desagradável. É por isso que os desodorantes e antitranspirantes são aplicados sob as axilas e não no corpo todo.

MECANISMO DE SECREÇÃO

A secreção sudoral é desencadeada por estímulos de origem central ou periférica, sendo controlada pelo sistema nervoso simpático. A sudação écrina pode ser desencadeada por excitação térmica e psíquica (emoções, reflexos).

A sudação térmica é um dos elementos essenciais do termo regulação. As várias regiões do corpo não são igualmente sensíveis aos dois estímulos da sudação. As glândulas palmo-plantares são exclusivamente sensíveis ao estímulo psíquico. As glândulas do tronco e dos membros são sensíveis ao estímulo térmico. As glândulas da fronte e das axilas são sensíveis às duas modalidades.

Tanto o suor écrino quanto apócrino, no momento de sua produção, não apresenta nenhum odor significativo. Este só se evidencia com o tempo, quando bactérias e leveduras agem sobre a degradação de moléculas orgânicas. Foram feitos estudos que comprovaram que caso estas secreções fossem mantidas estéreis seu odor permaneceria pouco significativo. Além do odor característico, deve-se considerar também o incômodo do excesso de suor.

O processo mais antigo para combater odores desagradáveis era o de mascarar esses odores por outros mais agradáveis. Embora o odor agradável seja o objetivo desejado é necessário também evitar ou eliminar as causas dos odores desagradáveis. Entre as alternativas temos:

  •  Antitranspirante; Antiperspirantes; Desodorantes; Inibidores enzimáticos; Absorventes de odores.

A) ANTITRANSPIRANTE

São produtos destinados a bloquear a secreção sudoral obstruindo o orifício dos canais excretores das glândulas sudoríparas através da precipitação das proteínas da superfície da pele. Geralmente são compostos por sais de alumínio (cloreto de alumínio), de zinco, de zircônio.

B) ANTIPERSPIRANTES

Têm como função reduzir a transpiração, sem no entanto bloquear completamente a sudação natural. Os adstringentes tem sido muito utilizados para este fim (alúmen- pouco usado, taninos, sulfato de zinco, sulfato de alumínio, cloreto de alumínio, hidrocloretos).

C) DESODORANTES

São constituídos por veículos (líquidos, sólidos, pastosos ou fluidos) contendo bactericidas ou bacteriostáticos. Ao limitar o desenvolvimento das bactérias à superfície da pele, estas não podem degradar os derivados protéicos do suor em animais e amidas e portanto pode-se evitar o desenvolvimento do odor corporal. O banho diário utilizando sabão, faz desaparecer momentaneamente estas bactérias, as quais depois de 2 a 3 horas voltam a aparecer, multiplicam-se e voltam a atuar.

D) INIBIDORES ENZIMÁTICOS

Devido ao fato de que o odor do suor decomposto tem como origem a formação de ácidos graxos livres, surgiu a idéia de utilizar como agente desodorante, um fator enzimático, inibidor da estearase. Destes podem ser citados: lactato de etilo, éster trietílico do ácido citrônico, éster hidroxicarboxílico.

E) ABSORVENTE DE ODORES

Estas moléculas procuram inibir o aparecimento do odor ou evitar sua presença, sem recorrer a bactericidas ou a substâncias antitranspirantes. Esta está registrada sob o nome de Grillocin e é constituída essencialmente por ricinoleato de zinco (C18H33O3)Zn.