Lição 9 – Discromias

discromias

Quando falamos de discromias, falamos das manchas. DIS (alteração) e CROMIAS (relativo à cor). São caracterizadas por alterações de pigmentação da pele, em consequência da diminuição, do excesso ou da ausência de melanina em alguma área específica.

Há três tipos de manchas: hipocromias, acromias e hipercromias.

Hipocromias: manchas com um tom mais claro que o da pele. Exemplo: micoses, leucodermia (sardas brancas).

Acromias: manchas brancas na pele. Exemplo: vitiligo, indivíduo albino.

Hipercromias: manchas escuras na pele. Exemplo: melasma, cloasma, efélides (sardas), etc.

Conheça abaixo alguns tipos de hipercromias:

Efélides (SARDAS): são manchas de tom castanho claro ou escuro, de caráter hereditário. Surgem dos 6 aos 18 anos.

Cloasma Gravídico: hipercromia desenvolvida pelas gestantes. Acomete 50 a 70 % de gestantes, e aparece após a gravidez. Geralmente aparece na face.

Melanose Solar: são manchas senis, que acometem indivíduos de meia idade e idosos.  Geralmente aparece no dorso das mãos, punho, face e antebraços.

Melanose Periocular: são as famosas olheiras, geralmente em mulheres. Pode ser de fator genético ou por insônia, estresse, má alimentação, álcool, medicamentos, etc.

Fotofitodermatose: hipercromias decorrente de limão, laranja, maracujá, etc.

Melasma: são manchas de tom castanho claro a escuro, hereditárias ou congênitas, e acometem 29 % de mulheres que fazem uso de anticoncepcionais. Além disso, pode ser causada devido à exposição solar e menopausa.

O ideal é NUNCA esquecer de aplicar o filtro solar, mesmo sabendo que nem ele mesmo tem capacidade de barrar toda a ação dos raios RUV.

Além disso, a exposição solar deve ser nos horários adequados (até 10h e após as 16h).

O tratamento das manchas pode ser demorado e varia de pessoa para pessoa.

*Este curso tem como objetivo ser apenas informativo, assim, não dá habilitação para o aluno praticar a profissão.